AbbrA 

 
   

A Arte de Viver

Valmor  Vieira

AbbrA - A Arte de Viver; milhares de páginas visitadas por dia; Treinamento de liderança e criatividade: resumos de  cursos, conferências e palestras; jogos, vivências, exercícios, testes e dicas para a sua formação pessoal e profissional.....

Marcus Vieira

AbbrA

Capacitação
 e treinamento
Exercícios e testes
Jogos Psicológicos
Jogos Intelectuais
Resumo de cursos
Vivências
Dicas especiais
 
Filosofia
Fábulas
Mensagens 
Citações
Poesias 
 
Álbum da
Natureza
Paisagens
Pôr do sol
Flores
Animais
Pássaros
Borboletas
Praias
Moradas
 
Humor

Causos

  Cartoons e fotos

 
Magia
Sonhos lúcidos

Kama Sutra

Orações e preces

Auto-afirmações
Enigmas
Talismã sagrado
 
Radical Demais
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
     

 

Talismã

 

Os dois principais talismãs

 
 

Paracelso, um grande Mestre, reduzia os sinais essenciais da magia a dois pantáculos soberanos;  as Estrelas do Macrocosmo e do Microcosmo, mas conhecidos sob os nomes de Pentagrama e de Sela de Salomão.

 

“Existem (diz Paracelso) dois pantáculos principais, que superam todos os outros caracteres, selos e hieróglifos.

“Imaginai dois triângulos entrecruzados, de tal modo que seu espaço interior seja dividido em sete frações, e que os seis ângulos se projetem para fora.  Nesses seis ângulos, inscreve-se, na ordem conveniente, as seis letras do nome divino ADONAI.  Isso quanto ao primeiro pantáculo.  – O outro o ultrapassa de muito;  suas virtudes e sua surpreendente eficácia lhe valem um lugar mais sublime.  Ele se compõe da seguinte maneira:  três ângulos ou ganchos se entrecruzam e se entrelaça;  o espaço inteiro fica assim dividido em seis partes, e cinco ângulos se projetam para fora.  Nesses cinco ângulos, traça-se e divide-se, na ordem desejada, as cinco sílabas do mui ilustre e eminente nome divino TE-TRA-GRAM-MA-TON.

“Os cabalistas e os nigromantes judeus conseguiram muita coisa pela virtude desses dois caracteres.  Por isso, mais de um deles dá-lhes a maior importância e os conserva cuidadosamente em segredo”.

E Stanislas de Guaita lembra “que a estrela luminosa do Macrocosmos é o símbolo absoluto do dogma universal de Hermes:  Quod superius sicut est quod inferiu, et vice-versa; ao passo que a estrela flamejante do Microcosmos (...) constitui o perfeito emblema do mistério que é corolário do grande Arcano divino e humano:  Inconsciente e Vontade;  Queda e Reintegração;  Provação er Beatitude;  Deus fazendo-se homem, para que o Homem, por sua vez, se faça Deus;  a Morte física, enfim, motivo discordante que preludia o concerto da Vida eterno...

“O que explica um pouco a virtude maravilhosa que adquirem esses pantáculos na mão de um adepto, é que, sendo a expressão, desde tempos imemoriais, do domínio que o Mago exerce sobre os Espíritos elementares e sofre outras raças ainda dos Reinos do Invisível, tais caracteres constituem como que sinais convencionais do mestre encarnado as eus servidores do além.  Diversamente eficazes, de acordo com o modo de emprego e a vontade do magista, o aspecto desses diagramas pode levar o entusiasmo, ou o terror, ou o amor, entre as falanges turbulentas do Astral;  sobretudo quando o experimentador tomou o cuidado de “precipitar a imagem” na segunda atmosfera:  seja confundido, sobre o altar dos perfumes, o pergaminho onde esses sinais foram traçados (não com tinta, mas com as substâncias requeridas); seja realizando o esboço ígneo desses pantáculos, por meio da máquina de Holts (ou de uma forte bobina de indução), sofre uma placa de vidro pontuada de finos recortes metálicos, que a chispa alcança pulando de um para outro.  O instrumento em uso para esse efeito lembra o quando mágico ou o quadrado fulminante de nossos laboratórios.

A estrela do Macrocosmos eletriza-se assim permanentemente, para que brilhe com a majestade calma da Ordem universal, de que é o emblema;  - a estrela microcósmica, pelo contrário, deve fulgurar por bruscas intermitências, como o relâmpago de Elohim ou o verbo devorador de Miguel:  tanto, ela é eletrizada às sacudidelas.

Ignescust signa deorum, diziam os antigos adepto... O homem livre é um Deus, eclipsado pelas trevas do corpo;  mas quando a sua vontade fulgora no exterior, os Espíritos elementares obedecem tremendo...

“Por outro lado, Paracelso, apesar de sua predileção pelos dois sinais que são como que a síntese radical dos outros, não os negligenciava, sobretudo em matéria de medicina oculta.   Seus sete livros do Arquidexe mágico apresentam uma interminável série de caracteres, quase ininteligíveis à primeira vista, e que só podem ser decifrados à força de paciência e sob a condição de  conhecer bem a vivacidade da inteligência desse homem estranho e os caprichos de sua abreviações.  Cada um desse pantácuos constitui um amuleto, para preservar ou curar desta ou daquela doença.  Trata-se de um sinal, ao mesmo tempo de direção e de apoio, onde como numa cidadela inexpugnável às inteligências profanas, ele inclui determinada volição curativa, circunscrita e dinamizada por sua correspondência com os influxos atróficos de virtude similar, que o signo resume, abreviados, em sua concisão monogramática.

“O arcano do qual depende a eficácia dos pantáculos, amuletos e talismãs não é outro.

“Tomemos como exemplo uma medalha talismânica do sol.  Nesse caso, a influência celeste é duplamente invocada:  de modo passivo, pela escolha do  ouro, como metal que corresponde ao sol e receptivo de seus raios ocultos;  de modo ativo, pela oposição das figuras astrólogicas que o operador burila.  O pensamento do magista inscreve-se nele através da escolha e disposição dos caracter;  sua vontade sigilo diretamente o metal mediante o esforço material da gravura, que ele próprio deve executar.  Enfim, as duas Potências geradores do talismã – influxo astral e vontade humana – celebram sua união secreta na cerimônia da consagração, efetuada pelo magista, na hora astrológica requerida, com a ajuda dos elementos e dos gênios planetários invocados.”

Quase sempre, o fabricante do talismã, do amuleto ou do pantáculo não é o primeiro inventos;  nesse caso, para conseguir um resultado eficaz, é preciso que o pensamento e a vontade do invento (já ligados ao hieróglifo astral), passem a agir, relacionados pela intenção e a vontade conformes do magista que, tirando de um antigo modelo um exemplar novo, consagra esse último para o sue uso.

A forma

Se o talismã age por si mesmo, o pantáculo coloca em jogo influências cósmicas.  De acordo com L. Chochod (Oceultisme et Magie en Extreme Orient)  Ocultismo e magia no Extremo-Oriente, a forma mais satisfatória usada em magia talismânica continua a ser o círculo.

Tanto o mágico, como o feiticeiro, como o monge védico põem-se ao abrigo de um círculo travado ao redor do altar ou do centro das invocações;  notemos, a esse propósito, que nessa busca de uma proteção ritual encontramos o simbolismo da tríplice cercadura, visível em tantos contos (mais particularmente na da Bela adormecida, no qual a floresta isolada do resto do mundo a princesa que vai acordar).  Ritualmente, a floresta abriga do mundo profano o taumaturgo.

 

Veja:
   
 
1. O seu talimã sagrado

 

 
2. Os dois principais talismãs

 

 
3. O pentagrama flamejante

 

     
O AbbrA com todo o conteúdo disponível para consulta.
Confira  os jogos, testes, exercícios e resumos de cursos...

Temas Mágicos:

Talismã sagrado 

 O poder mágico dos talismãs e dicas para o ritual de consagração 

Sonhos lúcidos

 Orientações sobre a  maravilhosa arte de sonhar consciente

Kama Sutra

 A antiga arte hindu do sexo e do êxtase

Orações e preces

 Dezenas de orações e preces poderosas e  misteriosas

Auto-afirmações 

 As minhas auto-afirmações positivas

Enigmas

 Enigmas e curiosidades que desfiam a nossa imaginação 

Cristais e pedras

 As suas propriedades no plano físico, mental e espiritual

Numerologia

 O poder e o significado dos números

I Ching

 Instruções para usar o mais antigo livro de adivinhação

As cartas do tarô

 O livro da sabedoria. Conheça a sua carta pessoal anual

Cromoterapia

 A influência e o significado das cores

"O homem influi na natureza pela ação, nos outros homens pela palavra; e eleva-se à Deus pela prece e pelo êxtase."

Papus

     

Esta página estará sendo constantemente atualizada.

Visite-a com freqüência e confira as novidades.

 

Conheça o seu potencial de liderança e criatividade

 

 

Viagens

 Minhas Viagens  
 Inesquecíveis  
Meu Brasil
Fernando Noronha
Foz do Iguaçu
Rio de Janeiro
Florianópolis
Pantanal
Chapadas brasileiras
Nordeste do Brasil
Litoral Sul do Brasil
Bahia
Bonito
Gramado e Canela
Outros 50 Locais
 América do Sul 
Argentina
Buenos Aires
Bariloche
Península Valdez
Bolívia
Tiahuanaco
Ilha do Sol
La Paz
Chile
Puerto Varas
Pucon
Viña del Mar
Santiago
Cordilheira dos Andes
Lima
Paraguai
Assunção
Ciudad del Este
Peru
Machu Picchu
Cuzco
Nazca
Puno
Pisco
Lima
Uruguai
Montevideo
Colonia Sacramento
Punta del Este
Venezuela
Caracas
Isla Margaritas
Parque Morrocoy
Mérida
Los Llanos
 Outros países 
Grécia
Atenas
Mykonos
Santorini
Ilha de Creta
Israel
Jerusalem
Turquia
Istambul
Capadócia
 

Sic volo, sic jubeo, sic pro ratione voluntas