A Arte de Viver

abbra.eng.br                                  Valmor  Vieira

    

Principal

       

Magia

Talismãs
Tarô
Kama Sutra
Cromoterapia
Numerologia
I Ching
Sonhos Lúcidos
Orações
         

Capacitação

Vivências
Jogos
Cursos
Conferências
Palestras
Livros
         

Filosofia

Mensagens I
Mensagens II
Mensagens III
Mensagens IV
Mensagens V
        

Humor

Cartum
Causos
Piadas
      

Conheça-me

Contato
        

 

Sic volo, sic jubeo, sic pro ratione voluntas

  • O egoísmo da onça

    Ao voltar de um exaustivo dia de caça, trazendo segura nos dentes uma pequena corça, a onça encontrou sua toca vazia. Imaginando que os filhotes estivessem nas imediações, pôs-se a procurá-los com diligência. Olhou e examinou cada canto, sem encontrá-los. Preocupada com a demora que se tornava séria, desesperou-se e tomada de pânico esgoelou-se em urro que encheram de espanto toda a floresta.

    Uma anta decidiu indagar a respeito da ocorrência. Chegando junto da toca, viu a onça desatinada e então, jeitosamente, procurou saber dela sobre o que estava acontecendo.

    Devoraram-me os filhotes! - gemeu a onça.

    — Infames caçadores cometeram friamente o maior de todos os crimes: mataram os meus filhos...

    A anta conciliadora, porém franca, não deixou que a oportunidade se passasse sem que ela dissesse à onça certas verdades que embora dolorosas, careciam ser ouvidas por ela naquele momento. Então lhe falou:

    — Mas senhora onça, se analisar bem o fato, há de convir que suas acusações não procedem. Perdoe-me a franqueza, nessa hora de desespero. Respeito a sua dor, mas devo dizer-lhe que fizeram uma vez aquilo que a senhora pratica todos os dias. Não pode negar que vive sempre a comer os filhotes dos outros, não é verdade? Ainda agora acabou de abater uma pequena corsa.

    Tomada de indignação, a onça regalou os olhos como que espantada pela coragem e atrevimento da anta, falando com um ódio mortal:

    — Oh, estúpida criatura! É isso que você tem a dizer para consolar o meu coração ferido pela dor? Com que direito você se atreve em comparar os meus filhos com os filhotes dos outros? E como pode comparar o meu sofrimento e desolação ao dos demais? É preciso considerar primeiro a minha posição, em relação à dos outros animais, para depois pesar a situação.

    Foi nesse momento que um velho macaco, bem do alto do seu galho assistia ao diálogo, falou como quem está revestido de autoridade:

    — Amiga onça, é sempre assim: A dor alheia só atinge aos sensíveis, mas jamais ao egoísta...

    (PAULO BARBOSA)

    •     

    Veja a Mensagem do Dia 

    Vamos nos divertir um pouco??!!!

         
Home
        

Album

Paisagens
Pessoas 
Flores
Animais
Moradas
       

Viagens

Fernando Noronha
Natal
Florianópolis
Pantanal
Chapadas
Bonito
Nordeste
Bahia
Rio de Janeiro
São Mateus Sul 
Istambul
Jerusalém
Outros
Radical
         

A sua opinião

 

 

 

 

TC